Postagem em destaque

PROPOSTAS E MODELOS - ENEM 2016

TODAS AS PROPOSTAS E MODELOS RELACIONADOS NESTA POSTAGEM SÃO DO AUTOR DO BLOG E NÃO PODEM SER COMERCIALIZADOS EM MATERIAL DIDÁTICO VIRTUAL ...

23 de jun de 2012

Resenha


Gênero textual: Resenha                                                             

                        O texto a seguir pertence ao gênero resenha. Como tal, possui função específica que determinará seu conteúdo, a forma de exposição de ideias, linguagem e abordagem do tema. Leia-o e procure identificar essas características.


Um gramático contra a gramática

Gilberto Scarton

                        “Língua e Liberdade: por uma nova concepção da língua materna e seu ensino”  (L&PM, 1995, 112 páginas) do gramático Celso Pedro Luft  traz um conjunto de ideias que subverte a ordem estabelecida no ensino da língua materna, por combater, veemente, o ensino da gramática em sala de aula.
Nos 6 pequenos capítulos que integram a obra, o gramático aborda, intencionalmente, de maneira enfática4 o mesmo tema: a maneira tradicional e errada de ensinar a língua materna, as noções falsas de língua e gramática, a obsessão gramaticalista, inutilidade do ensino da teoria gramatical, a visão distorcida de que se ensinar a língua é se ensinar a escrever certo, o esquecimento a que se relega a prática linguística, a postura prescritiva, purista e alienada - tão comum às "aulas de português" .
O velho pesquisador apaixonado pelos problemas da língua, teórico de espírito lúcido e de larga formação linguística e professor de longa experiência leva o leitor a discernir com rigor gramática e comunicação: gramática natural e gramática artificial; gramática tradicional e linguística; o relativismo e o absolutismo gramatical; o saber dos falantes e o saber dos gramáticos, dos linguistas, dos professores; o ensino útil, do ensino inútil; o essencial, do irrelevante.
Essa fundamentação linguística de que lança mão - traduzida de forma simples com fim de difundir assunto tão especializado para o público em geral - sustenta a tese do Mestre, e o leitor facilmente se convence de que aprender uma língua não é tão complicado como faz ver o ensino gramaticalista tradicional . É, antes de tudo, um fato natural, imanente ao ser humano; um processo espontâneo, automático, natural, inevitável, como crescer. Consciente desse poder intrínseco, dessa propensão inata pela linguagem, liberto de preconceitos e do artificialismo do ensino definitório, nomenclaturista e alienante, o aluno poderá ter a palavra, para desenvolver seu espírito crítico e para falar por si.
Embora Língua e Liberdade do professor Celso Pedro Luft não seja tão original quanto pareça ser para o grande público (pois as mesmas concepções aparecem em muitos teóricos ao longo da história), tem o mérito de reunir, numa mesma obra, convincente fundamentação que lhe sustenta a tese e atenua o choque que os leitores - vítimas do ensino tradicional - e os professores de português - teóricos, gramatiqueiros, puristas - têm ao se depararem com uma obra de um autor de gramáticas que escreve contra a gramática na sala de aula .

                                                                              (Adaptado de: http://www.pucrs.br/gpt/resenha.php)

                        Observe que na resenha encontram-se basicamente 5 itens:

1 Citação bibliográfica.
2 Citação biográfica do autor (não obrigatório).
3 Apresentação do conteúdo da obra analisada.
4 Emissão de opinião do resenhista – (que pode se utilizar de comparações com outros textos e autores)
5 Opinião conclusiva do autor.
                         
Analisando-se a resenha, portanto, percebe-se que as diferentes informações quanto ao conteúdo da obra e quanto à avaliação do resenhista estão unidas de forma coesa, como a formar uma só trama. Não se encontram parágrafos destinados somente ao conteúdo ou apenas à crítica. Tal unidade é bastante importante em qualquer texto desse tipo.

Leia essa outra resenha e atente para a linguagem empregada:

DVD

UMA VERDADE INCONVENIENTE (An Inconvenient Truth, Estados Unidos. 2006. Paramount) - Al Gore passou décadas de sua carreira fazendo papel de chato ao falar insistentemente sobre um problema que parecia distante, o aquecimento global. Ficou com fama de bobão e, como se sabe, perdeu a eleição para George W. Bush de forma nebulosa. Enquanto a popularidade do atual presidente despenca, entretanto, a dele anda nas alturas - até em Prêmio Nobel já se fala. Tudo graças a esse bem urdido documentário sobre o tema mais caro ao ex-presidente vice-presidente-presidente: as mudanças climáticas. Envolvente, ritmado e didático sem ser condescendente, o filme chega ao DVD com dados atualizados em relação à versão vista no cinema e é um programa quase que obrigatório para quem deseja entender por que o clima anda tão louco e o que se pode fazer, no dia, para não agravar o problema.

(Revista Veja, São Paulo, 07 fev. 2007.)


CONCEITUANDO
                       
                        A resenha não se trata de um texto muito longo; dotada de título original, tem como objetivo chamar a atenção do leitor de modo a apresentar-lhe apreciações críticas e de conteúdo a respeito de uma obra científica, filosófica ou literária (resenha crítica), podendo também abarcar coletânea de textos de variados tipos (resenha temática), analisados como um todo ou individualmente. Considerando-se o universo da escrita apenas, as resenhas, portanto, são textos em 3a pessoa que se apoiam em outros textos, assim como os resumos, e que, no entanto, diferente destes, além de apresentarem de modo sucinto determinado conteúdo, ocupam-se deste último com uma abordagem na qual a opinião do resenhista recebe atenção especial. Neste aspecto, aquele que a escreve, além de apresentar os próprios pontos de vista, é capaz de influenciar a opinião alheia  quanto à determinada obra, filme etc.
                        No cotidiano, esse gênero textual costuma aparecer em jornais, revistas, sites especializados e blogs, podendo assumir até uma linguagem mais descontraída. No meio acadêmico, no entanto, privilegia-se a formalidade na abordagem do conteúdo e na construção de argumentos.
                       Embora alguns autores nomeiem algumas categorias de resenhas, em sua essência e estrutura todas apresentam os mesmos elementos:

                        - título;
                        - citação bibliográfica;
                        - citação do autor (sua biografia - opcional);
                        - apresentação sucinta do conteúdo do objeto tratado;
                        - análise e crítica do resenhista, expressando juízo de valor.

                    É importante observar que a crítica do resenhista não deve ter por base simplesmente o campo de suas impressões, pelo contrário, suas opiniões precisam ser sustentadas por argumentos que persuadam o leitor de que a tese defendida na resenha é digna de crédito, ou seja, toda resenha possui um caráter dissertativo.
                        Na crítica, costuma-se expor um ponto de vista favorável ou desfavorável ao objeto tratado, contudo não se descarta a possibilidade de relativização entre prós e contras de determinado texto ou obra.
                       
                        Sugestão de trechos:

- Com adjetivos valorativos:

a)   A obra é – reveladora; importante; essencial; problemática; polêmica; descompromissada; recomendável.
b)        O autor é – enfático; modesto; contundente; desafiador; radical.
c)         O estilo do autor é / a abordagem do autor é – discutível; exemplar; confuso(a); irreverente.
d)        O tema é – relevante; muito atual; pertinente; desconcertante.

- Com advérbios ou locuções adverbiais:

a) O autor escreve - com desenvoltura; ritmadamente; didaticamente; tediosamente; com originalidade.
b) É necessário ler – atentamente; analiticamente; com espírito crítico.
c) No texto, aborda-se o assunto – com audácia; com cautela; com sensibilidade.
d) O tema é tratado – de forma irreverente; de maneira convencional; de maneira preconceituosa.


                        Sugestões:

- Antes de produzir uma resenha, procure elencar de forma objetiva as informações mais relevantes do texto (O quê, Quem, Quando, Como, Onde e Por quê).

- Procure pensar em elementos do texto como: tema, intencionalidade, linguagem, aspecto biográfico do autor.

- Para as informações elencadas, procure atribuir valores positivos ou negativos sobre os quais se possa argumentar de maneira convincente.


EXERCÍCIOS DE VESTIBULAR

1. (Ufpr - adaptado)  Elabore um resumo ou uma resenha crítica de até 15 linhas do texto a seguir.

                        Para que Filosofia?

            É uma pergunta interessante. Não vemos nem ouvimos ninguém perguntar, por exemplo, para que matemática ou física? Para que geografia ou geologia? Para que história ou sociologia? Para que biologia ou psicologia? Para que astronomia ou química? Para que pintura, literatura, música ou dança? Mas todo mundo acha muito natural perguntar: para que Filosofia?
            Em geral, essa pergunta costuma receber uma resposta irônica, conhecida dos estudantes de Filosofia: "A Filosofia é uma ciência com a qual e sem a qual o mundo permanece tal e qual". Ou seja, a Filosofia não serve para nada. Por isso, se costuma chamar de "filósofo" alguém sempre distraído, com a cabeça no mundo da lua, pensando e dizendo coisas que ninguém entende e que são perfeitamente inúteis.
            Essa pergunta, "Para que Filosofia?", tem a sua razão de ser.
            Em nossa cultura e em nossa sociedade, costumamos considerar que alguma coisa só tem o direito de existir se tiver alguma finalidade prática, muito visível e de utilidade imediata.
            Por isso, ninguém pergunta para que as ciências, pois todo mundo imagina ver a utilidade das ciências nos produtos da técnica, isto é, na aplicação científica à realidade.
            Todo mundo também imagina ver a utilidade das artes, tanto por causa da compra e venda das obras de arte, quanto porque nossa cultura vê os artistas como gênios que merecem ser valorizados para o elogio da humanidade. Ninguém, todavia, consegue ver para que serviria a Filosofia, donde dizer-se: não serve para coisa alguma.
            Parece, porém, que o senso comum não enxerga algo que os cientistas sabem muito bem. As ciências pretendem ser conhecimentos verdadeiros, obtidos graças a procedimentos rigorosos de pensamento; pretendem agir sobre a realidade, através de instrumentos e objetos técnicos; pretendem fazer progressos nos conhecimentos, corrigindo-os e aumentando-os.
            Ora, todas essas pretensões das ciências pressupõem que elas acreditam na existência da verdade, de procedimentos corretos para bem usar o pensamento, na tecnologia como aplicação prática de teorias, na racionalidade dos conhecimentos, porque podem ser corrigidos e aperfeiçoados.
            Verdade, pensamento, procedimentos especiais para conhecer fatos, relação entre teoria e prática, correção e acúmulo de saberes: tudo isso não é ciência, são questões filosóficas. O cientista parte delas como questões já respondidas, mas é a Filosofia quem as formula e busca respostas para elas.
            Assim, o trabalho das ciências pressupõe, como condição, o trabalho da Filosofia, mesmo que o cientista não seja filósofo.
                                                       (CHAUÍ, M. "Convite à Filosofia". São Paulo: Ática, 1994. p. 12-13.)

Um comentário:

rafa ella disse...

MUITO BOM,ADOREI A EXPLICAÇÃO OBRIGADA

QUIZ: POR QUE OU POR QUÊ?

Havendo dificuldade em visualizar o quiz, clique no link abaixo: